Google tradutor

Ricardo Eletro

Jogos

Por determinação da Justiça, Prisco não pode comparecer a posse na Alba

   
  O deputado estadual eleito, Marco Prisco (PSDB), não poderá participar da própria solenidade de posse para cargo de deputado estadual, marcada para o próximo domingo (01), às 14h30, na Assembleia Legislativa do Estado da Bahia (Alba), em Salvador. Isto porque ele ainda tem que cumprir um decisão da Justiça que determinou recolhimento domiciliar, proibição de sair às ruas entre 20 horas e 6 horas pela Justiça Federal, e a não apreciação do habeas corpus pelas instâncias superiores.
 
Para a advogada do deputado, Marcelle Maron, o impedimento de comparecer a própria posse vai contra o princípio da separação dos poderes e da imunidade parlamentar, consagrados da Constituição Federativa do Brasil.
 
"Ou seja, o Judiciário não pode interferir nas ações do Legislativo. Em não apreciando nosso pedido liminar de comparecimento do deputado à solenidade de posse, o Judiciário intenta contra a própria Constituição. Além do mais, não há motivo para a manutenção das restrições. A justificativa da Justiça era a manutenção da ordem pública, mas se a cidade voltou à normalidade dois dias após o início das mobilizações, o motivo de ser da cautelar caiu por terra", alerta a advogada.
 
Ainda de acordo com Marcelle, Prisco é o único eleitor que será obrigado a pedir que alguém o representante na solenidade de posse do próprio mandato. A defensora ainda lembra uma das imposições das restrições é de que Prisco só poderá se deslocar em território de atuação profissional. 
 
“Ele agora é deputado estadual, tem imunidade parlamentar e foro privilegiado, prerrogativas que não estão sendo respeitadas pela Justiça. Como poderá atender aos anseios de todos os baianos se está impossibilitado de deixar a capital baiana?”, questionou a advogada.
 
O deputado estadual diplomado lamenta a situação. "Ainda acredito na Justiça. Creio que as vontades dos meus 108.041 eleitores prevalecerão. Eles disseram nas urnas, quando me elegeram o terceiro mais votado da Bahia, que nunca me enxergaram como uma ameaça à sociedade, mas que acreditam em meu trabalho como deputado estadual do Estado da Bahia”, afirmou soldado Prisco. Bocão News

O Spider voltou! Anderson Silva encara Nick Díaz após sofrer grave lesão


 Pouco mais de um ano após sofrer uma lesão que chocou o Brasil e os fãs de MMA por todo o mundo, o maior lutador de MMA de todos os tempos volta aos octógonos. Diante de Nick Díaz e uma arena lotada em Las Vegas, EUA, Anderson Silva vai tentar provar que ainda pode ser a lenda que bateu recordes e era considerado imbatível até ser derrotado por Chris Weidman.

Aos 39 anos, Anderson acumula 33 vitórias no MMA, 20 delas por nocaute. Ele se destacou no UFC por vencer 17 lutas seguidas e defender o cinturão dos médios 10 vezes seguidas, batendo grandes nomes do esporte como Vítor Belfort, Dan Henderson, Forrest Griffin, Chael Sonnen e Rich Franklin.

A série invencível chegou ao fim justamente por conta do estilo provocador que transformou Anderson em uma lenda. Com a guarda baixa, marca registrada do Spider, o brasileiro acabou perdendo o título em julho de 2013, e teve a chance da revanche em dezembro do mesmo ano, mas quebrou a perna e ficou afastado desde então.

O evento em que Anderson Silva e Nick Díaz se enfrentam terá início às 20h45 (horário de Salvador), com a luta do Spider sendo a última, acontecendo já na madrugada de domingo (1º).

Confira o card completo do UFC 183 em Las Vegas:

CARD PRINCIPAL
Peso-médio: Anderson Silva x Nick Diaz
Peso-meio-médio: Tyron Woodley x Kelvin Gastelum
Peso-leve: Joe Lauzon x Al Iaquinta
Peso-médio: Thales Leites x Tim Boetsch
Peso-meio-médio: Jordan Mein x Thiago Alves

CARD PRELIMINAR
Peso-galo: Miesha Tate x Sara McMann
Peso-médio: Ed Herman x Derek Brunson
Peso-mosca: Ian McCall x John Lineker
Peso-médio: Rafael Sapo x Tom Watson
Peso-pena: Diego Brandão x Jimy Hettes
Peso-médio: Rick Monstro x Ildemar Marajó
Peso-médio: Thiago Marreta x Andy Enz


Galaticos online
 

Minuto de Sabedoria

Policie suas palavras
 
Evite termos impróprios e anedotas pesadas.
 
Lembre-se de que tudo o que dizemos permanece em nossa atmosfera mental, atraindo aqueles que pensam da mesma forma, e que passarão a formar o circulo comum em redor de nós.
 
Não ofenda com palavras baixas os anjos de Deus, que se afastarão de você horrorizados.
 
A boa educação se manifesta também através das palavras que partem de nós
 
Carlos Torres Pastorino

JACOBINA: HOMEM INVADE IGREJA DA MATRIZ, FAZ AMEAÇAS E É DETIDO PELA GUARDA MUNICIPAL

Um homem identificado como FERNANDO ANTÔNIO MACEDO, de 57 anos de idade, deixou as pessoas que estavam na Igreja da Matriz assustadas na tqrde desta terça-feira. Bastante agitado, ele invadiu a igreja dizendo que queria falar com o padre e chegou a fazer ameaças as duas pessoas que estavam no local com algumas cadeiras plásticas. Como o padre nao estava na igreja ele se trancou no banheiro , de onde só saiu com a intervenção dos Guardas Municipais. A SAMU foi acionada e receitou a primeira medicação no homem que se mostrava bastante desorientado e agitado. Logo em seguida ele foi levado ao hospital municipal. Depois que foi retirado do banheiro seu Fernando disse que estava com medo pois estaria, segundo ele, sendo perseguido e queria ajuda do padre. Disse ser natural da cidade de Picos , no Piaui, e que era professor de linguas estrangeiras. Relatou que queria trabalhar como guia turistico mas teve todos os seus documentos roubados na região da feira-livre e que os mesmos homens que lhe roubaram queria lhe matar. Os guardas municipais relataram que ele é o mesmo homem que ficou preso na área de autoatendimento do Banco do Brasil no fim de semana. De qualquer forma esta situação mostra que ele é uma pessoa que apresenta transtornos e que precisa de um acompanhamento mais cuidadoso do município antes que algo mais grave aconteça.

Emerson Rocha / Bahia Acontece

Gato atropelado aparece vivo cinco dias após dono enterrá-lo nos EUA

Proprietário achou que Bart tinha morrido ao achá-lo imóvel em estrada.
Bicho surgiu vivo em quintal de vizinho; imprensa o apelidou de 'gato zumbi'.

Gato Bart pode perder o olho, mas deve sair vivo após ser enterrado pelo dono que achou que tinha morrido (Foto: Reprodução/Facebook/Humane Society of Tampa Bay)
Gato Bart pode perder o olho, mas deve sair vivo após ser enterrado pelo dono que achou que tinha morrido (Foto: Reprodução/Facebook/Humane Society of Tampa Bay)
Um gato chamado Bart ganhou o apelido de "gato zumbi" na imprensa internacional depois que foi dado como morto por seu dono e reapareceu cinco dias após ser enterrado. O caso aconteceu na Flórida, segundo reportagem da Fox News.
Ellis Hutson, dono de Bart, disse que o encontrou numa estrada após ser atropelado por um carro desconhecido. Como achou que estava morto, enterrou o animal. Cinco dias depois, o bicho apareceu bastante machucado, mas vivo, no quintal de um vizinho.
Ellis então levou Bart a uma entidade de proteção de animais em Tampa Bay para receber atenção veterinária. Ele tem a mandíbula quebrada, um traumatismo na cabeça e deve perder um olho, mas é provável que saia vivo. O dono não faz ideia de como o gato sobreviveu. G1

Dois anos depois, veja 24 erros que contribuíram para tragédia na Kiss

Incêndio em 27 de janeiro de 2013 em Santa Maria matou 242 pessoas.
Confira as conclusões da polícia, peritos, promotores e especialistas.

          O incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, não havia completado nenhum mês e as autoridades já o definiam como uma “sucessão de erros primários”, nas palavras no então presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea-RS), Luiz Alcides Capoani. Nesta terça-feira (27), data que marca os dois anos da tragédia que comoveu o país, o G1 compila 24 desses erros.
São irregularidades, ações e omissões que contribuíram para o incêndio e o elevado número de vítimas – foram 242 mortes e mais de 600 feridos. Alguns desses erros ou condutas resultaram em processos em várias esferas para responsabilização dos apontados como culpados, outros não. As conclusões foram retiradas do relatório do próprio Crea-RS sobre a tragédia, do inquérito da Polícia Civil, do laudo do Instituto-Geral de Perícias (IGP) e das denúncias feitas pelo Ministério Público (MP) à Justiça. Confira:

Delegado posta foto que mostra uso de fogo na boate Kiss (Foto: Reprodução/Facebook)
Delegado postou foto que mostra uso de fogo
na boate Kiss (Foto: Reprodução/Facebook)
1) Show pirotécnico em ambiente fechado Ficou comprovado pelo depoimento de 98 testemunhas, prova de vídeo e laudo pericial que o incêndio na Kiss teve origem durante o show da banda Gurizada Fandangueira. O vocalista Marcelo de Jesus dos Santos segurou um artefato pirotécnico, cujas faíscas entraram em contato com o revestimento no teto do palco, iniciando as chamas. A boate não tinha autorização para fazer isso tipo de show, mas eles eram frequentes na casa noturna, segundo a polícia.    

2) Uso de fogo de artifício inadequado Durante a apresentação na Kiss, a banda usou fogo de artifício conhecido como “chuva de prata”, indicado para uso em ambientes externos, conforme aviso na embalagem. O material foi comprado dois dias antes em uma loja de Santa Maria pelo produtor Luciano Bonilha Leão. Em depoimento à polícia, o gerente da loja disse que, na ocasião, foi oferecido a ele fogos para ambientes fechados, que custavam cerca de R$ 50. O produtor optou pelos fogos de uso externo, de menor valor. Eles custavam R$ 2,50, ou seja, 20 vezes menos.

Espuma revestimento - Kiss 24 erros (Foto: IGP-RS/Reprodução)
Ampliação de foto mostra espuma que revestia
o teto do palco (Foto: IGP-RS/Reprodução)
3) Espuma inflamável como revestimento O revestimento acústico do palco da Kiss foi feito com uma espuma comum, sem tratamento antichama. Testemunhas disseram à polícia que o material foi instalado por dois funcionários da boate durante uma reforma em 2012 a mando de um dos sócios, Elissandro Spohr, e sem supervisão técnica. A perícia constatou que a espuma tinha em sua composição poliuretano, material altamente inflamável e tóxico, que libera gases como cianeto durante a queima. Esses gases foram responsáveis pela morte por asfixia da grande maioria das 242 vítimas, revelaram os exames de necropsia.

Extintor boate Kiss 24 erros (Foto: IGP-RS/Reprodução)
Como ficou o extintor que falhou ao lado do palco
(Foto: IGP-RS/Reprodução)
4) Falha em extintor de incêndio Assim que perceberam o fogo no teto, o vocalista da banda e seguranças da boate tentaram apagar as chamas com um extintor de incêndio posicionado ao lado do palco, mas o equipamento não funcionou. O laudo do IGP confirmou que o extintor estava inoperante. Para o Crea-RS, a falha foi fundamental para a propagação do incêndio, já que poderia ter extinguido o foco inicial das chamas. Funcionários da boate disseram a polícia que Elissandro não costumava deixar os extintores nas paredes, sob a alegação de que eles prejudicavam a decoração.

Vídeo extraído de celular mostra vocalista com extintor na mão -  Kiss 24 erros (Foto: IGP-RS/Reprodução)
Vídeo extraído de celular mostra vocalista com
extintor na mão (Foto: IGP-RS/Reprodução)
5) Falta de aviso sobre o incêndio Durante as investigações, a polícia quis saber por que o vocalista da Gurizada Fandangueira, Marcelo de Jesus dos Santos, não avisou o público que a boate estava pegando fogo. Ele foi um dos primeiros a tentar combater o foco inicial do incêndio e tinha um microfone em mãos. A polícia concluiu que o alerta poderia ter minimizado os efeitos do incêndio. Para o MP, ele e o produtor da banda “revelaram total indiferença com a segurança e a vida das pessoas, assumindo o risco de matá-las”.

Foto mostra fila gigantesca na entrada da boate Kiss, em Santa Maria (Foto: Arquivo Pessoal)
Foto mostra fila gigantesca na entrada da boate
Kiss, em Santa Maria (Foto: Arquivo Pessoal)
6) A boate estava superlotada A capacidade de público da Kiss era de 691 pessoas, conforme o Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndio (PPCI) considerado na emissão do último alvará. O inquérito da polícia diz que tanto os bombeiros quanto a Prefeitura de Santa Maria não tinham conhecimento da capacidade da boate e que o documento com esse cálculo foi introduzido na documentação da Kiss após a tragédia. O IGP calculou que a boate, em condições ideais, comportaria 769 pessoas. Somados, o número de vítimas e o de pessoas que foram atendidas em hospitais resultou em 864 pessoas, mas a suspeita é de que mais de mil estavam na casa noturna na madrugada do incêndio. 

Entrada da boate Kiss em Santa Maria (Foto: Antonio Scorza/AFP)
Boate tinha apenas uma porta de entrada
e saída (Foto: Antonio Scorza/AFP)
7) Havia apenas uma porta de saída – A Kiss tinha apenas uma porta e de tamanho insuficiente para possibilitar a saída rápida da quantidade de pessoas que estavam na boate. As leis contra incêndio de Santa Maria e do Estado vigentes à época, baseadas na Norma 9.077 da ABNT, determinavam duas saídas para casas noturnas, em lados opostos. A boate tinha duas passagens que davam no hall de entrada, onde havia duas aberturas. “Dessa forma, aproveitando as deficiências normativas, possivelmente se tentou evitar ter que abrir uma nova abertura na fachada do edifício, ou mesmo reduzir a área destinada ao público para construir uma rota de fuga alternativa”, ressaltou o relatório do Crea-RS. O laudo do IGP concluiu ainda que a saída deveria ter 4,40 metros de comprimento e não 2,56 metros. 

Guarda-corpo arrancado pelo público e reposicionado por peritos na porta da boate - Kiss 24 erros (Foto: IGP-RS/Reprodução)
Guarda-corpo que foi arrancado pelo público e
reposicionado por peritos durante vistoria
(Foto: IGP-RS/Reprodução)
8) Obstáculos impediram a saída do público O inquérito policial concluiu que o grande número de obstáculos na saída da boate foi um dos fatores fundamentais para o grande número de mortes. Segundo a perícia do IGP, em três locais havia guarda-corpos, um deles bem em frente à porta de saída. Além disso, para deixar a boate alguns clientes teriam que passar, em sequência, por três portas diferentes. Os peritos também calcularam que todas as rotas de fuga tinham mais de 10 metros de comprimento (a distância máxima para casas noturnas) e apenas uma tinha menos de 20 metros. Policiais chegaram a usar a palavra “labirinto” para descrever o interior da Kiss. Para o Crea-RS, se as rotas de evacuação e as saídas estivessem desobstruídas, o número de vítimas teria sido bem menor.

9) Saída foi barrada por seguranças Mais de 80 pessoas relataram em depoimento à polícia que os seguranças da casa noturna impediram a saída do público nos primeiros instantes após o incêndio. Segundo esses relatos, a orientação era para que os clientes passassem nos caixas e pagassem as comandas antes de sair. A porta da boate só teria sido aberta minutos depois, após um conflito entre os seguranças e o público. Na denúncia sobre a tragédia, o MP diz que os seguranças agiram cumprindo ordem prévia dos sócios da boate, Elissandro e Mauro Hoffmann, para não deixarem clientes saírem sem pagar a conta.

Iluminação de emergência não funcionou, segundo testemunhas Kiss 24 erros (Foto: IGP-RS/Reprodução)
Iluminação de emergência não funcionou,
segundo testemunhas (Foto: IGP-RS/Reprodução)
10) Sinalização de emergência inadequada De acordo com os depoimentos de sobreviventes à polícia, quando as luzes da boate apagaram, não havia luzes de emergência nem placas de sinalização da saída. Os peritos do IGP não conseguiram determinar se as luzes emergência estavam funcionando porque elas foram destruídas pelo fogo. Mas encontraram vestígios de duas placas de sinalização apenas em dois dos cinco principais ambientes da boate. Além disso, não havia iluminação junto ao piso, que pudesse ser vista mesmo com a fumaça. Na escuridão, muitas vítimas teriam confundido a saída com os banheiros, onde corpos foram encontrados.

Sistema de exaustão estava bloqueado por janelas fechadas e paredes - Kiss - 24 erros (Foto: IGP-RS/Reprodução)
Sistema de exaustão estava bloqueado por janelas
fechadas e paredes (Foto: IGP-RS/Reprodução)
11) Sistema de exaustão bloqueado A boate não tinha janelas e o sistema de exaustão de ar estava obstruído. Isso impediu a dispersão da fumaça, que acabou direcionada principalmente para a saída, quando as portas foram abertas. Os dutos de ar ficavam nos banheiros da parte da frente da casa noturna e estavam obstruídos por janelas basculantes lacradas e por paredes de alvenaria. De acordo com um vídeo extraído pela polícia do celular de uma pessoa que estava na boate, a fumaça tomou conta do ambiente em poucos segundos. “A concentração e toxicidade da fumaça gerada foram decisivas para o surgimento de tantas vítimas fatais”, salientou o relatório do Crea-RS.

12) Falta de outros itens de segurança – Como o prédio da Kiss não tinha janelas, a boate deveria obedecer a exigências especiais das normas contra incêndio da ABNT, que baseavam a legislação contra incêndio de Santa Maria e do Estado. Os peritos do IGP concluíram que, além das duas saídas, a boate não dispunha de chuveiros automáticos (sprinklers) e sistema automático de saídas de fumaça e gases quentes.  

13) Funcionários e seguranças sem treinamento – Os funcionários que trabalhavam na Kiss, tanto os próprios quanto os terceirizados, nunca receberam qualquer treinamento para lidar com o público e para agir em situações de emergência. Esse treinamento é obrigatório, sem o qual não é emitido o alvará do Corpo de Bombeiros. Além disso, os funcionários da boate não dispunham de qualquer meio de comunicação apto a minimizar riscos em caso de tumulto. Para o Crea-RS, “essa falta de preparo foi um componente importante que agravou as deficiências do sistema de evacuação”.

Perspectiva em 3D da boate Kiss baseada na planta baixa da boate (Foto: Reprodução/IGP)
Perspectiva em 3D mostra como era a boate
antes do incêndio (Foto: IGP-RS/Reprodução)
14) Obras sem autorização ou responsável técnico – Conforme depoimentos de funcionários da Kiss à polícia, os sócios da boate realizavam reformas sem orientação de engenheiros ou arquitetos e à revelia do poder público. Em uma dessas obras, o projeto da boate foi modificado com a colocação da espuma de poliuretano no teto que emitiu fumaça tóxica ao pegar fogo. Para o Crea-RS, o fato foi “uma negligência séria”, pois os proprietários deveriam ter solicitado um novo alvará dos bombeiros e a boate teria de passar obrigatoriamente por uma nova vistoria.

15) Fiscalização permitiu funcionamento irregular – Em pelo menos nove situações, a Kiss funcionou de forma irregular. Nos nove primeiros meses, a partir de julho de 2009, a boate não tinha alvará de localização, documento que permite que uma atividade seja exercida em determinado local. Em três períodos a boate também não tinha alvará dos bombeiros, um deles por quase um ano, entre agosto de 2010 e 2011. A boate também funcionou sem alvarás sanitário e ambiental. Segundo a polícia, a danceteria foi fiscalizada e multada seis vezes, mas nunca foi fechada para regularização. A polícia indiciou quatro servidores municipais por homicídio culposo por suposta negligência, mas o MP não considerou ilícita a conduta deles e arquivou as denúncias.

Advogado de sócio da boate apresentou alvará vencido Kiss 24 erros (Foto: Tatiana Lopes/G1)
Advogado de sócio da boate apresentou
alvará vencido (Foto: Tatiana Lopes/G1)
16) Falhas na concessão dos alvarás – De acordo com a polícia, os dois alvarás contra incêndio expedidos pelos bombeiros para a Kiss não poderiam ter sido emitidos por conta de irregularidades na boate. Na emissão do segundo alvará, constatou também o Crea-RS, uma vistoria detectou que havia apenas uma porta de saída, mas o documento foi liberado mesmo assim após uma segunda vistoria. Do mesmo modo, segundo a polícia, a prefeitura não poderia ter emitido o alvará de localização, pois a boate estava com alvará sanitário vencido e o projeto arquitetônico apresentava 29 irregularidades e ainda não havia sido aprovado. Cinco bombeiros foram denunciados na Justiça Militar por não terem fiscalizado adequadamente a boate, mas o MP entendeu que a conduta deles não teve relação com as mortes. O pedido de indiciamento de quatro servidores públicos foi arquivado.

17) Documento fraudado regularizou abertura – Os proprietários da Kiss fraudaram documentos para regularizar a abertura da boate junto à Prefeitura de Santa Maria. Em 2009, para que fosse expedido o alvará de localização, era preciso apresentar uma “consulta popular”, com a assinatura de moradores de um raio máximo de 100 metros do estabelecimento. Muitas pessoas que firmaram o documento não moravam na região ou sequer existiam, segundo a polícia. O MP denunciou 34 por falsidade ideológica, entre sócios e pessoas que assinaram o documento.   

Um dos donos da boate Kiss, o empresário Mauro Hoffmann se entrega à polícia e é preso.  (Foto: Emerson Souza/Agência RBS)
Mauro Hoffmann era um dos sócios da boate
(Foto: Emerson Souza/Agência RBS)
18) Boate tinha “laranjas” como sócios – Desde que foi criada até a data da tragédia, a Kiss tinha sócios de fachada, os chamados “laranjas”, que eram proprietários apenas no papel. Segundo o MP, essa irregularidade ocorreu nas três modificações contratuais da boate, incluindo a criação da sociedade, sob o nome de Santo Entretenimento LTDA. Em dezembro, baseado em novo inquérito que investigou fraudes na documentação da casa noturna, os promotores fizeram uma nova denúncia por falsidade ideológica contra as oito pessoas que foram ou eram donos de fato ou apenas no papel, incluindo Elissandro, o pai, a mãe, a irmã dele e Mauro Hoffmann. 

19) Alvará contra incêndio emitido por software – Antes da tragédia, os bombeiros de Santa Maria – e de todos os municípios do interior do estado – utilizavam um software para emitir alvarás de proteção contra incêndio. Batizado de Sistema Integrado de Gestão de Prevenção de Incêndio (SIG-PI), ele foi criado para agilizar o processo, mas acabou desvirtuado. No caso da Kiss, o sistema gerou um PPCI a partir das informações dos proprietários da boate, sem responsável técnico. Na conclusão do inquérito, a polícia qualificou o sistema como “falho, incompleto, simplificado ao ponto de dar primazia à quantidade (de vistorias) em detrimento da qualidade (segurança)”. Após a tragédia, o procedimento foi modificado.

Bombeiros boate Kiss (Foto: Germano Roratto/Agência RBS)
Bombeiros combatem as chamas na boate
(Foto: Germano Roratto/Agência RBS)
20) Bombeiros não tinham máscaras suficientes – A estrutura dos bombeiros de Santa Maria foi criticada após o incêndio. Segundo as investigações da polícia, faltaram equipamentos como máscaras de oxigênio. Bombeiros disseram que de seis a oito respiradores autônomos estavam disponíveis para o resgate das vítimas de um total de 21. A polícia concluiu que se os bombeiros estivessem equipados com os tais 21 aparelhos “teriam mais condições de entrarem no interior da boate tomada pela fumaça e de lá retirarem mais sobreviventes”. O inquérito foi encaminhado para a Justiça Militar para que o comandante do 4º Comando Regional dos Bombeiros, tenente-coronel Moisés da Silva Fuchs, fosse investigado por homicídio culposo por suposta negligência, mas o caso foi arquivado.   

O incêndio provocou pânico e muitas pessoas não conseguiram acessar a saída de emergência (Foto: Germano Roratto/Agência RBS)
Frequentadores saíram e entraram na boate
(Foto: Germano Roratto/Agência RBS)
21) Participação de civis no resgate das vítimas – Várias pessoas que estavam na festa ajudaram no resgate das vítimas e tiraram de dentro da boate incontáveis sobreviventes, conforme os relatos. A polícia conseguiu provas de que pelo menos cinco desses civis morreram ao ingressarem novamente no prédio. O relatória da polícia concluiu que os bombeiros “estimularam” e “forneceram equipamentos” para que civis entrassem na boate e pediu à Justiça Militar que sete militares fossem indiciados por homicídio culposo por suposta omissão. O MP Público arquivou a denúncia por entender que não há provas ou indícios suficientes e que não há como individualizar a conduta de cada bombeiro diante das circunstâncias de caos e desespero no cenário da tragédia.      

22) Obra executada por empresa de bombeiro – A instalação de barras antipânico da Kiss, obras que constavam no PPCI da boate, foi feita pela Hidramix, empresa que tinha o bombeiro da ativa Roberto Flavio da Silveira e Souza como sócio. A polícia abriu inquérito para investigar se havia favorecimento a empresas ligadas à corporação nas vistorias e liberações de alvarás por parte dos bombeiros, mas a investigação foi concluída sem indiciamentos. O bombeiro, no entanto, foi exonerado da Brigada Militar em novembro por exercício ilegal da profissão, uma vez que militares não podem ser proprietários ou ter participação em empresas privadas.

23) Acordo com MP mal vistoriado – Em novembro de 2011, o MP assinou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com a Kiss. O acordo tinha como objetivo solucionar problemas de poluição sonora alvo de reclamações de vizinhos e, a grosso modo, resultou na instalação da espuma no teto. O advogado de Elissandro protocolou uma notícia-crime alegando omissão e negligência do promotor responsável pelo TAC. O promotor se defendeu e disse que não recomendou a colocação da espuma e que ela foi instalada pelos proprietários após a vistoria do MP. O MP arquivou o pedido de investigação contra o promotor por considerar que a atuação dele foi correta e não teve qualquer relação com a tragédia, mas depois do episódio a nova lei estadual contra incêndio determinou que esse tipo de acordo só pode ser firmado com aval e fiscalização do Corpo de Bombeiros. 

Adão Villaverde presidiu comissão deu origem a nova lei de incêndios (Foto: Marcelo Bertani/Agência ALRS)
Lei de prevenção a incêndio foi revista no Rio
Grande do Sul (Foto: Marcelo Bertani/ALRS)
24) Leis contra incêndio poucos claras – Na opinião da comissão especial do Crea-RS, a tragédia evidenciou as deficiências da leis contra incêndio no Rio Grande do Sul, consideradas “pouco precisas”. “O uso de definições e especificações genéricas e amplas gera a possibilidade de interpretações diversas, algumas tecnicamente inadequadas”, destacou o relatório. Foi valendo-se dessa confusão nas leis que os proprietários teriam conseguido autorização para a boate funcionar apenas com uma porta de saída. Após a tragédia, a lei estadual contra incêndio foi revista.

Entenda

A 24ª CIPM DIVULGA: RESULTADOS DAS AÇÕES POLICIAIS NO SÁBADO - 24/01/2015

O comando desta 24ª CIPM divulga para conhecimento da sociedade, os resultados das ações policiais militares empreendidas no último sábado, dia 24 de janeiro de 2015.

A 24ª CIPM continua intensificando suas ações nos povoados, sendo realizadas abordagens nas localidade próximas a Mirangaba, a exemplo de Canabrava e Taquarendi, que culminaram com a apreensão de 09 (nove) motocicletas. A operação que se iniciou por volta das 17h30min do dia 24/01/2015 teve término por volta das 03h30min do dia 25/01/2015. Também nos municípios de Saúde, Caldeirão Grande e Caém houveram ações empreendidas pela 24ª CIPM, que culminaram na apreensão de 11 (onze) motocicletas. Totalizando o quantitativo de 20 (vinte) motocicletas aprendidas por crimes e/ou infrações de trânsito neste final de semana.

Ademais, foram realizadas abordagens a estabelecimentos e eventos, sendo 09 (nove) bares e 02 (duas) boates, com um total de aproximadamente 350 (trezentos e cinquenta) pessoas abordadas. Estas ações foram desenvolvidas no sentido de combater a criminalidade prevenir de eventuais delitos, denotando a constante preocupação do comando da 24ª CIPM em intensificar o policiamento da região com vistas a manutenção da paz e da ordem pública. Fonte: 24ª CIPM. Augusto Urgente

JACOBINA: FUNCIONÁRIOS DE CARTÓRIOS ENTRAM DE FÉRIAS E POPULAÇÃO SE SENTE PREJUDICADA

As pessoas que procuraram os serviços dos Cartórios extra-judiciais de Jacobina nesta segunda tiveram uma surpresa pouco agradável. Quem esperou na  fila hoje pela manhã na porta do órgão foi informado que apenas o Cartorio do 1 Oficio, que atende Jacobina e Itapeipú,  está funcionando, realizando somente declaração de óbito e certidão de nascimento. O tabelionato de notas não está funcionando devido aos funcionários estarem de férias, portanto serviços como autenticação de documentos, reconhecimento de firma e etc, não estão sendo feitos. A previsão é de que o tabelionato só volte a funcionar a partir de fevereiro, quando a funcionaria retorna as suas atividades, pois não há funcionários para substituí-los. Os cidadãos também  reclamaram da falta de informação a sociedade. Segundo eles deveria se ter um aviso na porta do prédio para que as pessoas não esperassem em vão. Um cidadão que precisava autenticar um documento de compra e venda de veículos relatou que se um aviso estivesse na porta ele não estaria esperando em vão desde as cinco da manhã. Enquanto isso, quem precisar de serviços cartoriais em Jacobina  terá que procurar municípios vizinhos como, por exemplo, Caém e Mirangaba. A maioria das pessoas que estiveram nos cartórios hoje deixaram o local frustradas , sem conseguir realizar o serviço que precisava.

Emerson Rocha / Bahia Acontece.

IBGE: produção industrial cai em sete locais pesquisados; Bahia teve alta

Sete dos 14 locais pesquisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) tiveram queda na produção industrial na passagem de outubro para novembro de 2014. A maior queda foi observada no Amazonas (-4%), segundo dados da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física Regional, divulgados hoje (13).
Indústrias
Principal polo industrial do Brasil, o estado de São Paulo também teve redução na produção: -2,3%  (Foto: Divulgação)

Houve quedas também em Minas Gerais (-2,6%), Santa Catarina (-1,9%), no Ceará (-1,2%), Rio Grande do Sul (-0,9%) e em Goiás (-0,1%). Principal polo industrial do Brasil, o estado de São Paulo também teve redução na produção: -2,3%. A queda média nacional foi 0,7%.
Por outro lado, sete locais tiveram alta na produção nesse tipo de comparação: Pernambuco (5,3%), o Rio de Janeiro (2,5%), Espírito Santo (1,7%), a Região Nordeste (1,0%), Paraná (0,9%), o Pará (0,8%) e a Bahia (0,6%).
Nos outros tipos de comparação, o IBGE também analisa o desempenho do estado de Mato Grosso. Na comparação de novembro deste ano com o mesmo período do ano passado, em 11 dos 15 locais pesquisados houve recuo na produção. A principal queda foi observada no Amazonas (-16,9%). Houve avanço em quatro locais, com destaque para o Espírito Santo (11,7%).
No acumulado do ano, a produção caiu em dez dos 15 locais pesquisados, com destaque para o Paraná (-6,2%). Na Região Nordeste, houve estabilidade. Em quatro locais, houve alta, entre eles o Pará, com crescimento de 8,8%.
No acumulado de 12 meses, a produção recuou em dez dos 15 locais. As maiores quedas foram em São Paulo e no Paraná, ambos com 5,9%. Em cinco locais, houve alta, com destaque para o Pará (8,6%). Correio

Polícia Federal prende mulher com 28 kg de maconha dentro de casa na BA

O flagrante foi feito com apoio de equipes da Policia Militar, nas imediações do bairro Terras do Remanso em Vitória da Conquista
  

Droga foi apreendida dentro de casa (Foto: Divulgação/Polícia Federal)

Uma mulher foi presa em flagrante pela Polícia Federal nesta segunda-feira (12) na cidade de Vitória da Conquista, que fica a 509 quilômetros de Salvador. Segundo a polícia, ela escondia dentro de casa um pouco mais de 28 quilos de maconha.

O flagrante foi feito com apoio de equipes da Policia Militar, nas imediações do bairro Terras do Remanso. A mulher, que não teve o nome divulgado, foi autuada por tráfico ilícito de drogas e foi encaminhada para o presídio Nilton Gonçalves, em Vitória da Conquista, onde ficará à disposição da justiça. 

Correio

Deputado Amauri Teixeira, Jorge Sola e o Instituto IMIP visitam o Hospital Regional Vicentina Goulart em Jacobina

 
Manhã de terça-feira, 13, e aqui no Bairro dos Índios o deputado federal Amauri Teixeira (PT), deputado federal Jorge Sola (PT), e representantes do IMIP visitam o Hospital Regional Vicentina Goulart.

Os visitantes foram recebido pelo Dr Leopoldo Morais Passos e estão presentes também: Conselho Municipal de Saúde, vereador Roni do Junco e Tiago Dias e boa parte da imprensa local.

O Regional poderá ser selecionado como instituição universitária de ensino, para o Curso de Medicina. O IMIP está concorrendo para assumir o curso que será aplicado utilizando o hospital de Miguel Calmon e Morro do Chapéu, além do Antônio Teixeira Sobrinho. O Regional dispõe de 212 leitos.
Equipe discute em reunião a alternativas que serão utilizadas para a reabertura do Regional, através no IMIP que poderá assumir o Curso de Medicina, transformando a instituição em uma Unidade Escola.
 
Augusto Urgente.

Homem é preso após tentar contrabandear 94 iPhones colados ao corpo

O homem, natural da cidade de Hong Kong, prendeu os celulares ao tronco, cintura, panturrilha, virilha e nas pernas
  
  Um homem foi preso no último domingo (11), na cidade de Huanggang, na China, após tentar contrabandear 94 iPhones colados ao corpo com fita crepe. Segundo o site "Sina.com" (em chinês), o homem tentou passar pela ala de imigração do porto da cidade e levantou suspeitas, pois estava com uma bagagem muito simples e mantinha uma postura estranha enquanto andava.
Homem é preso após tentar contrabandear 94 iPhones colados ao corpo

Ainda segundo o portal, o homem, natural da cidade de Hong Kong, prendeu os celulares ao tronco, cintura, panturrilha, virilha e nas pernas. Os modelos que estavam sendo contrabandeados eram o iPhone 6, iPhone 6 Plus e alguns iPhones 4S.
Ele foi descoberto ao passar pelo detector de metal. A polícia chinesa não informou se os smartphones eram originais, mas todos ficaram impressionados com a grande quantidade de iPhones presos ao corpo do homem.

A China já vende os novos smartphones da Apple desde outubro, mas por conta do preço elevado, muitas pessoas tentam contrabandear os aparelhos vindos dos Estados Unidos e outros países asiáticos sem pagar impostos.Correio

Jacobina: Após Show de Zezé de Camargo e Luciano carro capota próximo ao distrito do Junco

Enquanto a cidade dorme muita coisa acontece!

Na manhã de domingo,11, um veiculo veículo Astra de placa policial EMG 6539 perdeu o controle vindo a capotar na BR 324, próximo ao distrito do Junco, que pertence ao município de Jacobina.

Segundo informações, havia 05 ocupantes no veículo e todos saíram ilesos do acidente.
 
Diário da Chapada

Jacobina: Avó da menina que se cortou ao cair sobre vaso sanitário pede que redobrem a atenção com as crianças

No início da tarde desta segunda-feira, 05 de janeiro de 2015, estivemos no Bairro do Peru, onde encontramos a pequena Raissa Neves, 6 anos, na companhia da sua avó Maria das Neves.

Raissa se recupera de cortes na barriga e pernas depois de ter caído sobre um vaso sanitário, que se quebrou, acidente ocorrido no dia 30 de dezembro de 2014, na residência de sua mãe no Bairro Novo Amanhecer.

Raissa irá realizar uma revisão no dia 12 deste no Hospital da Criança em Feira de Santana, onde foi cirurgiada e internada por 4 dias. O acidente causou comoção em muitos Jacobinenses, pois a criança chegou ao hospital Antônio Teixeira Sobrinho, com as vísceras expostas, e perdendo sangue.

Dona Maria das Neves diz que foi um milagre e está feliz ao lado de sua neta. Pede que pais redobrem os cuidados com seus filhos, principalmente com vasos soltos, para que fatos como este não se repita.
Fonte: Augusto Urgente!

Corpo de criança é encontrado boiando no balneário do Paiaiá em Saúde


 

Enquanto a cidade trabalha muita coisa acontece!
Nesta terça-feira,06, o corpo de uma criança de nome não identificado foi encontrado boiando no balneário do Paiaiá em Saúde.
De acordo com informações ele era filho de uma doente mental conhecida como Pindobaçu, muito conhecida em Jacobina.
O corpo da criança já se encontra no IML de Jacobina.

Diário da Chapada

Veja o que muda com o novo salário mínimo de R$ 788


(Foto: Natália Mello/ G1)
O reajuste do salário mínimo, que passou de R$ 724 para R$ 788 no primeiro dia do ano, também aumenta o valor de benefícios e serviços que usam o piso como referência. Veja onde o aumento de R$ 64 (ou 8,8%) reflete. 
Seguro-desemprego:
O aumento do salário mínimo reajustou o valor do seguro-desemprego – cuja parcela mínima passa de R$ 724 para R$ 788. O benefício foi instituído em 1990 e é concedido ao trabalhador desempregado sem justa causa.
Abono salarial:
O benefício equivale a um salário mínimo vigente, ou seja, subiu de R$ 724 para 788. O abono é pago anualmente aos trabalhadores que recebem remuneração mensal de até dois salários mínimos. Atualmente o dinheiro é pago a quem tenha exercido atividade remunerada por, no mínimo, 30 dias consecutivos ou não, no ano.
Contribuições ao INSS:
Para as empregadas domésticas que recebem salário mínimo, e que recolhem 8%, a contribuição passa de R$ 57,92 para R$ 63,04. A parte do patrão, que contribui com 12% do salário, sobe de R$ 86,88 para R$ 94,56. Se recolher as duas partes, pagará R$ 157,60.
No caso de quem aderiu ao plano de contribuição simplificada (para donas de casa e estudantes, por exemplo), o recolhimento ao INSS, que era de é de R$ 79,64 (11% sobre o mínimo), passa para R$ 86,68.
Seguro-defeso:
O seguro-defeso é um benefício de um salário mínimo pago para os pescadores que exercem atividade exclusiva e de forma artesanal. O valor é concedido nos períodos em que a pesca é proibida para permitir a reprodução da espécie. O benefício passa de R$ 724 para R$ 788.
Ações nos juizados:
O reajuste do mínimo ainda afeta o teto permitido para se ajuizar uma ação. No Juizado Especial Federal, por exemplo, pode entrar com ação, sem advogado, quem tem valor a receber de até 60 salários mínimos. De R$ 43.440, o limite passa a ser de R$ 47.280.
No Juizado Especial Cível, o valor das ações também é calculado com base no mínimo. Quem quiser entrar com ação que envolva até R$ 15.760 (ou 20 salários mínimos), sem advogado, está liberado. Em 2014, o teto era de R$ 14.480. G1

NEM TODOS OS VEÍCULOS PRECISAM TROCAR O EXTINTOR, ENTENDA!



Uma certa confusão vem sendo feita por donos de automóveis desde que surgiu a informação de que todos os veículos devem estar equipados desde dia 1º deste ano com extintores ABC. Na verdade todos os carros devem ter o novo modelo de extintor, mas nem todos os veículos precisam ter ele substituído, isso porque por determinação do Contran, Conselho Nacional de Trânsito, todos os carros fabricados a partir de 2005 já vem com o extintor obrigatório, e a troca só se faz necessária se o equipamento estiver vencido.
Já os motoristas que têm carros fabricados até 2004, estes  têm que se adequar. O novo extintor da categoria ABC tem a validade de cinco anos e não pode ser recarregado. Com ele é possível apagar incêndios em todos os tipos de material. Já o mais antigo, modelo BC, usado até então, não tinha a mesma eficiência.
Quem for pego com o equipamento em desacordo com a nova determinação está sujeito a multa de R$ 127 e leva cinco pontos na carteira de habilitação e terá o veículo retido até que o equipamento seja substituido.
O aparelho precisa conter o selo de qualidade do Inmetro e a carga da pressão (no topo do cilindro, próximo à mangueira) deve estar sempre no verde.  Outro detalhe a ser observado é que o equipamento deve estar sem a embalagem plástica. Nossa redação conversou com muitos condutores que não sabiam deste detalhe e fizeram a substituição do equipamento sem necessidade e não foram avisados nem pelos vendedores, pois , na compra, não é mais preciso entregar o modelo antigo, como era feito antes. Portanto, antes de fazer a sua troca, observe no extintor do seu carro, se ao lado estiver as letras ABC, seu extintor não precisa de troca.

Emerson Rocha / Bahia Acontece

Muita gente aguardando atendimento no Hospital Antônio Teixeira Sobrinho em Jacobina

08:59h - Manhã de segunda-feira 05 de janeiro de 2015, e aqui no pátio do Hospital Antônio Teixeira Sobrinho, uma adolescente de 15 anos chora com dores na cabeça e aguarda atendimento desde às 5h.

Muita gente aguarda atendimento e segundo informações, um médico está atendendo em cirurgia. O povo reclama da morosidade no atendimento.
Fonte : Augusto Urgente!

Governo torna mais rigoroso acesso a benefícios previdenciários

Período de trabalho para requerer 1º seguro-desemprego vai triplicar.
Futuro ministro disse que mudança gera economia de R$ 18 bi por ano. 

Ministro Aloizio Mercadante (centro) anuncia mudanças em regras da Previdência Social (Foto: Nathalia Passarinho / G1) 
Ministro Aloizio Mercadante (centro) anuncia mudanças em regras da Previdência Social (Foto: Nathalia Passarinho / G1)
 
O ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, anunciou nesta segunda-feira (29) a edição de medidas provisórias (MPs) que tornarão mais rigoroso o acesso da população a uma série de benefícios previdenciários, entre eles seguro-desemprego e pensão por morte.

As MPs, que na prática significam uma reforma previdenciária, serão publicadas no Diário Oficial da União nesta terça (30). As novas regras passam a valer logo após a publicação, mas precisam ter a validade confirmada pelo Congresso Nacional no prazo de até 120 dias. Conforme o ministro Mercadante, as limitações à concessão dos programas servem para “corrigir excessos e evitar distorções”.

Indicado por Dilma para ser ministro do Planejamento no segundo mandato, Nelson Barbosa participou da coletiva de imprensa e informou que as medidas vão significar uma economia de R$ 18 bilhões por ano, a partir de 2015. A “minirreforma previdenciária” foi anunciada após reunião dos ministros com centrais sindicais, entre elas CUT e UGT, no Palácio do Planalto. Também participaram da coletiva a atual ministra do Planejamento, Mirian Belchior, e o ministro do Trabalho, Manoel Dias.

Entre as mudanças definidas está a triplicação do período de trabalho exigido para que o trabalhador peça pela primeira vez o seguro-desemprego. Conforme Mercadante, será elevado de seis meses para 18 meses o período seguido de trabalho para que os recursos sejam liberados ao contribuinte que acaba de ficar desempregado.
“Verificamos que 74% do seguro-desemprego está sendo pago para quem está entrando no mercado de trabalho. Agora, o trabalhador terá que trabalhar um ano e meio para ter esse direito”, disse o ministro. Para solicitar o benefício pela segunda vez, o trabalhador terá que ter trabalhado por 12 meses seguidos. Na terceira solicitação, o período de trabalho exigido continuará sendo de seis meses.

Pensão por morte
Os critérios para obter pensão por morte também ficarão mais rigorosos e o valor por beneficiário será reduzido. As novas regras não se aplicam a quem já recebe a pensão. O governo vai instituir um prazo de “carência” de 24 meses de contribuição do segurado para que o dependente obtenha os recursos.

Atualmente, não é exigido tempo mínimo de contribuição para que os dependentes tenham direito ao benefício, mas é necessário que, na data da morte, o segurado esteja contribuindo.

Será estabelecido ainda um prazo mínimo de 2 anos de casamento ou união estável para que o cônjuge obtenha o benefício. “Esse prazo é necessário e serve até para evitar casamentos oportunistas”, disse Mercadante. A atual legislação não estabelece prazo mínimo para a união.
O ministro anunciou também um novo cálculo que reduzirá o valor da pensão. “Teremos uma nova regra de cálculo do benefício, reduzindo do patamar de 100% do salário de benefício para 50% mais 10% por dependente até o limite de 100% e com o fim da reversão da cota individual de 10%”, disse Mercadante.

Pelas medidas provisórias editadas pela presidente Dilma Rousseff, deixará de ter direito a pensão o dependente condenado pela prática de crime que tenha resultado na morte do segurado. Atualmente, o direito de herança já é vetado a quem mata o segurado, mas não havia regra com relação à pensão por morte.
Outra mudança é a vitaliciedade do benefício. Cônjuges “jovens” não receberão mais pensão pelo resto da vida. Pelas novas regras, o valor será vitalício para pessoas com até 35 anos de expectativa de vida – atualmente quem tem 44 anos ou mais. A partir desse limite, a duração do benefício dependerá da expectativa de sobrevida.
Desse modo, o beneficiário que tiver entre 39 e 43 anos receberá pensão por 15 anos. Quem tiver idade entre 33 e 38 anos obterá o valor por 12 anos. O cônjuge com 28 a 32 anos terá pensão por nove anos. Quem tiver entre 22 e 27 anos receberá por seis anos. E o cônjuge com 21 anos ou menos receberá pensão por apenas três anos.
Abono salarial
Outro benefício que será limitado pelo governo é o abono salarial, que equivale a um salário mínimo vigente e é pago anualmente aos trabalhadores que recebem remuneração mensal de até dois salários mínimos. Atualmente o dinheiro é pago a quem tenha exercido atividade remunerada por, no mínimo, 30 dias consecutivos ou não, no ano.
Com a medida provisória que será publicada nesta terça-feira, só poderá obter o benefício o trabalhador que tenha exercido atividade por seis meses. “O benefício da forma como é hoje trata de forma igual quem trabalha 30 dias em um ano e quem trabalha o ano inteiro. Agora  a carência para receber o salário mínimo, em vez de um mês, passa a ser de seis meses”, explicou Mercadante.

Auxílio-doença
O governo também mudou as normas para concessão do auxílio-doença. Hoje o valor é pago pelo Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) ao trabalhador que ficar mais de 15 dias afastado das atividades.
Com a edição da MP, o prazo de afastamento para que a responsabilidade passe do empregador para o INSS será de 30 dias. Além disso, será estabelecido um teto para o valor do auxílio equivalente à média das últimas 12 contribuições.
Seguro-defeso
Outra alteração anunciada pelo governo diz respeito ao seguro-desemprego do pescador artesanal, o chamado seguro-defeso. Trata-se de um benefício de um salário mínimo para os pescadores que exercem atividade exclusiva e de forma artesanal. O valor é concedido nos períodos em que a pesca é proibida para permitir a reprodução da espécie.
A MP editada por Dilma veda o acúmulo de benefícios assistenciais e previdenciárias com o seguro-defeso. O pescador que recebe, por exemplo, auxílio-doença não poderá receber o valor equivalente ao seguro-defeso. Além disso, será instituída uma carência de 3 anos a partir do registro oficial como pescador, para que o valor seja concedido. G1

Após ser atropelada por motorista bêbada, modelo tem a perna amputada

Modelo Paola Antonini Franca Costa, 20, que teve a perna amputada após ser atropelada 
Modelo Paola Antonini Franca Costa, 20, que teve a perna amputada após ser atropelada
 
 A modelo Paola Antonini Franca Costa, 20, que foi atropelada por uma motorista bêbada no sábado (27), em Belo Horizonte (MG), teve de amputar a perna logo após o acidente. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (29), pelo Hospital João 23, para onde Paola foi levada após o acidente. O atropelamento ocorreu na avenida Raja Gabaglia, no Luxemburgo, quando a modelo colocava malas em um carro com qual ela iria viajar com o namorado.
De acordo com a assessoria do hospital, os médicos optaram pela amputação transtibial, um pouco abaixo do joelho.
A modelo agora se recupera no Hospital Felício Rocho, no Barro Preto, onde deu entrada nesta segunda-feira (29). De acordo com assessoria do Hospital Felício Rocho, a família da modelo não autorizou a divulgação de informações sobre o seu estado de saúde.
De acordo com a PM (Polícia Militar), o Fiat Bravo de Paola Costa foi atingido pelo Fiat 500 conduzido por Diandra Lamounier Morais de Melo, 24, que passou pelo teste do bafômetro.
O exame constatou 0,53 miligramas de álcool por litro de ar expelido dos pulmões, valor considerado crime de trânsito. Ela foi multada por não portar a CNH (Carteira Nacional de Habilitação) e pagou fiança de R$ 1.500. Ela foi liberada e vai responder a processo, que será conduzido pela Polícia Civil.
Paola e o namorado passariam o final do ano em Búzios (RJ). O carro que a atingiu, chegou em alta velocidade e perdeu o controle em uma curva, prensando a perna esquerda da modelo. Bol Noticias

Siga por e-mail